Soluções para os Riscos Químico, Toxicológico e Ambiental

Catálogo de Produtos | Port. | Esp. |

Portuguese English Spanish

Os produtos químicos estão presentes no dia-a-dia de qualquer pessoa. Todo e qualquer segmento industrial utiliza produtos químicos, seja para fazer um simples copinho de café como para criar um televisor de última geração. E é justamente no ambiente de trabalho que existe a maior probabilidade de uma pessoa se expor a um produto químico, sendo muitos deles inclusive classificados como perigosos à saúde humana.

A cada dia, a Química adquire maior importância na vida moderna, em virtude da crescente aplicação de produtos químicos, praticamente, em todas as atividades humanas. O Brasil encontra-se em oitavo lugar como produtor químico mundial e, em consequência do sucesso do agronegócio, o país é hoje o maior consumidor de agrotóxicos do mundo.

Deve ser assinalado que, ao lado dos efeitos desejados, que justificam sua utilização, os produtos químicos apresentam efeitos tóxicos que, dependendo da intensidade da exposição, podem se manifestar a curto, médio e longo prazos. Os efeitos tóxicos podem corresponder a praticamente todas as doenças conhecidas, desde irritações dos tecidos, alergias, doenças dos diversos aparelhos (circulatório, respiratório, digestivo) e sistemas (nervoso, endócrino, imunológico), inclusive diversos tipos de câncer.

São Paulo, 21 de outubro de 2017

No dia 14 de novembro, às 9h, a Intertox e Assintecal realizaram uma palestra de “Atualizações do transporte terrestre de produtos perigosos – resolução ANTT nº 5.232/2016”, na sede da Assintecal em Novo Hamburgo/RS.

O Palestrante foi o Fabriciano Pinheiro, diretor da Intertox, membro da Comissão de Estudos sobre Transporte Terrestre de Produtos Perigosos do Comitê Brasileiro de Transportes e Tráfego (ABNT/CB-16).

Pesquisa aponta os paises mais toxicos do mundo

The EcoExperts, uma empresa especializada em projetos e ferramentas de energia renovável, promoveu uma recente pesquisa analisando 135 países do mundo e classificando-os em níveis de (eco)toxicidade. Os critérios para a classificação foram cinco: (i) nível de consumo de energia per capita, (ii) emissão de CO2 a partir da queima de combustíveis, (iii) poluição do ar, (iv) mortes causadas pela poluição do ar e (v) esforços para a promoção de energia sustentável. 

Pesquisar

 

ghs